Vol.  37,  n.o 3  (148),  Jul-Set  2017
 
Categoria ?
Dutch Disease-cum-financialization booms and external balance cycles in developing countries
Alberto Botta

 Neste artigo nós investigamos a dinâmica de médio a longo prazo que emerge do fenômeno da doença holandesa com financeirização. Nos inspiramos no caso mais recente do padrão de desenvolvimento da Colômbia. A doença holandesa pura causa desindustrialização, em primeiro lugar, ao apreciar permanentemente a taxa de câmbio no longo prazo. A financeirização neste caso, isto é, os maiores influxos de capital em um cenário de excesso de otimismo financeiro puxado pela existência de recursos naturais, leva no médio prazo a uma maior volatilidade na taxa de câmbio e à instabilidade macroeconômica. Este processo prejudica ainda mais o desenvolvimento do setor manufatureiro ao aumentar a incerteza na economia. A recomendação é, portanto, pela adoção do controle de capitais e por uma política monetária desenvolvimentista a fim de confrontar os fenômenos da financeirização e da doença holandesa.

 We formally investigate the medium-to-long-run dynamics emerging out of a Dutch disease-cum-financialization phenomenon. We take inspiration from the most recent Colombian development pattern. The “pure” Dutch disease first causes deindustrialization by permanently appreciating the economy’s exchange rate in the long run. Financialization, i.e. booming capital inflows taking place in a climate of natural resource-led financial over-optimism, causes medium-run exchange rate volatility and macroeconomic instability. This jeopardizes manufacturing development even further by raising macroeconomic uncertainty. We advise the adoption of capital controls and a developmentalist monetary policy to tackle these two distinct but often intertwined phenomena


   
Das explicações para a quase-estagnação da economia capitalista no Brasil
Eleutério F. S. Prado

 Neste artigo, examinam-se três importantes linhas de explicação para essa ocorrência histórica que já dura quase quatro décadas. Discutem-se perspectivas que se encaixam nos rótulos de neoliberal, novo-desenvolvimentista e marxista. Não apenas, porém, do enfoque científico, mas também do ponto de vista da justificação e/ou da crítica econômico-política da realidade existente. A dependência na relação periferia-centro, dentro do horizonte da duração possível do capitalismo, aparece como questão central. A política econômica dos governos figura como importante, mas sem primazia em relação ao evolver estrutural das relações sociais capitalistas.  A conclusão não flerta com qualquer forma de otimismo sobre o progresso – ao contrário, vê o futuro como bem difícil.

 In this article, we examine three important lines of explanation for this historical occurrence that has lasted almost four decades. We discuss perspectives that fit into three labels: neoliberal, new developmentalism and Marxist. However, not only from the scientific focus, but also from the justification and/or the economic-political critique of the existing reality point of view. The dependency in the periphery-center relation, inside the horizon of the possible duration of capitalism, appears as a central question. The economic policy of governments figures as important, but without primacy over the structural evolution of capitalist social relations. The conclusion does not flirt with any form of optimism about progress – on the contrary, it sees the future as very difficult.


   
Transforming natural resources into industrial advantage: the case of China’s rare earths industry
Carlos Aguiar de Medeiros e Nicholas M. Trebat

 Este artigo analisa o desenvolvimento da indústria de terras raras da China, destacando o papel de iniciativas estatais na transição deste país de exportador de terras raras para grande consumidor industrial dessas matérias-primas. Tal como outras potências industriais no passado, China se aproveita de suas reservas de matérias-primas estratégicas, disponíveis em grande quantidade e a baixo custo de produção no território chinês, para promover setores de maior valor agregado. Argumentamos que, no caso de terras raras, esta estratégia tem sido bem sucedida, rompendo com uma divisão internacional clássico do trabalho que existia antes de 2000, em que China exportava a maior parte de sua produção de terras raras para países ricos, e transformando as empresas chinesas em exportadores a jusante de produtos mais sofisticados.

 This paper analyzes the development of China’s rare earths industry, emphasizing the role of state technological initiatives in the country’s transition from rare earth exporter to large industrial consumer of these raw materials. Like other industrial powers before it, China takes advantage of low-cost domestic supplies of strategic raw materials to promote higher value-added manufacturing. We argue that, in the case of rare earths, this strategy has been largely successful, disrupting a classic international division of labor that existed prior to 2000, in which China exported most of its rare earth output to wealthy countries, and transforming Chinese firms into exporters of more sophisticated downstream products.

 

   
Teorias econômicas Marxistas e a Grande Recessão
Alex Wilhans Antonio Palludeto e Rogerio P. de Andrade

 O presente artigo dedica-se ao exame de algumas das principais interpretações de inspiração marxista acerca da Grande Recessão que se apresentam publicadas sob a forma de livros. Do amplo conjunto de publicações sobre o tema, as seguintes obras foram analisadas: The Great Financial Crisis, de John Bellamy Foster e Fred Magdoff (2009); The Enigma of Capital, de David Harvey (2011), publicado originalmente em 2010; The Crisis of Neoliberalism, de Gérard Duménil e Dominique Lévy (2011); e The Failure of Capitalist Production, de Andrew Kliman (2012). Argumenta-se que o debate marxista em torno das causas últimas da Grande Recessão pode ser sistematizado a partir da seguinte clivagem: 1) de um lado, os autores que atribuem a turbulência à forma política/econômica/institucional específica assumida pelo sistema capitalista ao longo das últimas décadas; 2) de outro, aqueles que interpretam a crise recente como uma manifestação própria da dinâmica capitalista em geral – e não do modo particular que esta supostamente apresenta. Enquanto Foster & Magdoff (2009), Harvey (2011) e Duménil & Lévy (2011) compõem o primeiro grupo, Kliman (2012) pode ser visto como representante da segunda vertente.

 This review paper examines some of the main Marxist-inspired interpretations of the Great Recession that were published in the form of books. From the broad set of publications on the subject, the following works were analyzed: The Great Financial Crisis, by John Bellamy Foster and Fred Magdoff (2009); The Enigma of Capital, by David Harvey (2011), originally published in 2010; The Crisis of Neoliberalism, by Gérard Duménil and Dominique Lévy (2011); and The Failure of Capitalist Production, by Andrew Kliman (2012). It is argued that the Marxist debate about the ultimate causes of the Great Recession can be systematized from the following cleavage: 1) on the one hand, the authors who attribute the turbulence to the specific political/economic/institutional form assumed by the capitalist system over the last decades; 2) on the other hand, those who interpret the recent crisis as a manifestation of capitalist dynamics in general - and not the particular form that it supposedly assumes. While Foster & Magdoff (2009), Harvey (2011) and Duménil & Lévy (2011) belong to the first group, Kliman (2012) is a representative of the second strand.


   
Towards an intellectual history of evolutionary economics: competition and struggle versus cooperation and mutual aid
John Hall e Svetlana Kirdina-Chandler

 Nossa investigação considera as origens da Economia Evolutiva reintroduzindo um debate que teve lugar na Rússia no século XIX e início do século XX. Respostas à "Origem das Espécies" de Charles Darwin são consideradas, especialmente as críticas que enfatizam a ênfase de Darwin na competição e na luta na seleção natural, que podem ser traçadas diretamente a Thomas Robert Malthus. Considerando contribuições desafiadoras feitas por vários eruditos russos, colocamos uma ênfase especial no foco de Peter Kropotkin na cooperação e na "ajuda mútua" na seleção natural e na evolução. Em seguida, especulamos sobre a semelhança encontrada nas visões evolucionistas avançadas por Kropotkin e seu contemporâneo americano, Thorstein Veblen.

 Our inquiry considers the origins of Evolutionary Economics by reintroducing a debate that took place in Russia in the 19th and early 20th century. Responses to Charles Darwin’s The Origin of Species are considered, especially critiques stressing Darwin’s emphasis upon competition and struggle in natural ion, that can be traced directly to Thomas Robert Malthus. Considering challenging contributions made by several Russian scholars, we place special emphasis upon Peter Kropotkin’s focus on cooperation and “mutual aid” in natural ion and evolution. We then speculate upon the commonality found in the evolutionary views advanced by Kropotkin and his American contemporary, Thorstein Veblen. (100 words) 


   
Direito e institucionalismo econômico: apontamentos sobre uma fértil agenda de pesquisa
Diogo R. Coutinho

 O artigo explora a dimensão jurídica nos trabalhos de autores pertencentes a diferentes correntes institucionalistas. Argumenta que análises centradas nas instituições - em especial uma delas, a chamada economia política institucionalista - oferecem ao direito e aos juristas engajados na teoria e na prática do direito econômico a oportunidade de tomar parte em um rico diálogo sobre do desenvolvimento econômico e seus enigmas. Isso resulta do fato de o institucionalismo ser um campo eminentemente interdisciplinar e transversal, no qual as agendas de pesquisa das ciências sociais podem almejar ganhos explicativos conjuntos e fertilizações cruzadas entre as disciplinas. 

 The article explores the legal dimension that underlies the works of different institutionalist schools. It argues that analysis centered on institutions – in particular, the so-called institutionalist political economy – unveils an opportunity for the legal field, and legal scholars to take part in the rich dialogue about economic development and its puzzles. This results from the fact that institutionalism is an eminently transversal and interdisciplinary field, in which social sciences agendas can achieve shared gains and cross-fertilization.

 

   
Understanding and overcoming the “positive profits with negative surplus-value” paradox
Gustavo Daou Lucas e Franklin Serrano

 Este artigo provê uma explicação do significado econômico do famoso paradoxo dos “lucros positivos com mais-valia negativa”, apresentado por Steedman (1975), e demonstra que apesar dos valores-trabalho individuais poderem ser negativos em alguns sistemas de produção conjunta, a afirmação de que o trabalho incorporado no excedente da economia (i.e., mais-valia) é negativa baseia-se em pressupostos sem sentido (como níveis de atividade negativos). Oferecemos também uma forma de calcular a mais-valia de sistemas de produção conjunta que supera o problema e restabelece a proposição que afirma que trabalho excedente positivo é condição necessária para a existência de lucros positivos.

 This paper explains the “positive profits with negative surplus-value” example of Steedman (1975) and shows that while in joint production systems individual labour values can be negative, the claim that the total labour embodied in the surplus product of the economy (surplus-value) can also be negative is based on assumptions that have no economic meaning (such as negative activity levels).The paper also provides a way to measure the surplus-value of joint production systems which overcomes the problems of the traditional concept and restates the proposition that a positive amount of surplus labour is a necessary condition for positive profits.

 

   
Impact of economic growth on international reserve holdings in Brazil
Mohammad Kashif, P. Sridharan e S. Thiyagarajan

 Esse estudo investigou o impacto do crescimento econômico sobre as reservas internacionais brasileiras no contexto do Mecanismo de Correção de Erros, utilizando dados do período 1980-2014. Os resultados revelam que o crescimento econômico é altamente significativo. A partir da estimativa do nosso modelo, argumentamos que o crescimento econômico e as reservas internacionais têm relação positivo de longo prazo. As estimativas do modelo de correção de erro são válidas porque o termo de correção de erro é negativo e estatisticamente significativo. Além disso, nosso modelo sugere que o crescimento econômico também tem relação de curto prazo. A velocidade de ajuste é mais de quarenta por cento, indicando que o termo de correção de erro corrige o desequilíbrio do ano anterior à taxa de 40,4%.

 This study investigated the impact of economic growth on Brazilian international reserves holdings in the context of Error Correction Mechanism using data over the 1980-2014 period. The results reveal that economic growth is highly significant. From the estimation of our model, we argue that economic growth and international reserves have positive long run relationship. The estimates of error correction model are valid because error correction term is negative and statistically significant. Besides, our model suggested that economic growth has short run relationship too. The speed of adjustment is more than forty percent which indicated that error correction term corrects previous year disequilibrium at the rate of 40.4%.


   
Reforma da previdência e regime complementar
Lena Lavinas e Eliane de Araújo

 Este artigo interroga a relação entre o sistema público de aposentadorias e pensões no Brasil e o regime complementar de capitalização (ou de contribuição definida), frente a mais uma investida de reforma contra o seguro social. Após caracterizar brevemente o perfil do sistema público e a evolução recente das aposentadorias fully-funded,  discute os pressupostos de que este regime seria mais benéfico à elevação da poupança privada e, portanto, do investimento, dimensões sempre problemáticas da dinâmica do desenvolvimento no Brasil. Conclui que a expansão da previdência complementar privada não contribui nem para o aumento do investimento, nem para a ampliação do mercado de capitais, tendendo, ao contrário, a estimular a concentração de renda, já alarmante no país. 

 This article examines how pay as you go (defined benefit) public pension system relates to a fully funded complimentary regime (or defined contribution pension), in the context of a renewed attempt to reform public retirement benefits in Brazil. After featuring the main characteristics of the public pension system and how the fully funded private regime has evolved as of late, this paper questions the idea that the latter would be more beneficial to the increase of private savings and, as a result, of investment, aspects that are crucial for the development of Brazil. The findings suggest that the fully funded private regime, rather than incentivizing investment growth and the stock market, tends to reinforce income concentration, which is by all standards already alarming in Brazil.

 

   
A Lei de Thirlwall multissetorial com fluxos de capitais: Uma análise do plano nacional de exportações (2015-2018) usando simulações computacionais
Guilherme Jonas C. da Silva, Júlio Fernando Costa Santos e Lívia Nalesso Baptista

 Este trabalho tem como objetivo avançar no debate em torno da Lei de Thirlwall Multissetorial, incluindo os fluxos de capitais setoriais e suas implicações para a nova estratégia de crescimento da economia brasileira, que visa estimular as exportações por meio da diversificação dos produtos, da agregação de valor e do aumento da intensidade tecnológica das exportações brasileiras. Para tanto, desenvolve-se um modelo multissetorial com fluxos de capitais setoriais e, na sequência, realizam-se algumas simulações computacionais considerando os principais setores e parceiros econômicos do país (China, Estados Unidos e Bloco Europeu). Os resultados sugerem que a melhor estratégia seria estimular os setores específicos, ou seja, ampliar a participação dos setores nos quais o país possua maior vantagem comparativa em relação a cada um dos seus parceiros comerciais (Manufaturados – EUA, Semimanufaturados – Europa, Básicos – China). Não obstante o resultado obtido na simulação, nos moldes do modelo proposto por Hausmann et al. (2004), pode gerar a aceleração do crescimento econômico. Assim, o Plano Nacional de Exportações (2015-2018) deve dar preferência à ampliação de incentivos a setores que apresentem elevadas razões das elasticidades no sentido de Thirlwall.

 This paper aims to advance the debate on Multi-sectoral Thirlwall’s Law, including sectorial capital flows and its implications for the new Brazilian economy's growth strategy, which aims to stimulate exports through diversification of products, the aggregation value and increased technology intensity of Brazilian exports. To this end, it develops a multi-sectoral model with sectorial capital flows and, as a result, are carried out some computer simulations considering the main sectors and economic partners of the country (China, United States and the Euro block). The results suggest that the best strategy is to encourage specific sectors, that is, increase the participation of the sectors that the country has comparative advantage in relation to each of its trading partners (Manufactured – US, Semi-manufatured – Europe, Primary – China). Despite the results obtained in the simulation, the model templates proposed by Hausmann et al. (2004), can generate the acceleration of economic growth. Thus, the National Plan for Exports (2015-2018) should give preference to the expansion of incentives to sectors that have high ratios of elasticity in the sense of Thirlwall.

 
         
 
     
     
 
The Brazilian Journal of Political Economy counts with the support of the following corporations:
 
   
   
Copyright © 2017
Revista de Economia Política - ISSN 1809-4538
Rua Araripina, 106 - 05603-030 - São Paulo - Brazil